Não deixe.

Não permita.

Não deixe que lhe digam “tem força”, sem saberem quais são as suas dificuldades.

Não permita que o acusem de estar fraco, sem conhecerem as suas dores. Não deixe que lhe digam “sê resiliente”, se não souberam dar uma estratégia.

Não permita o julgamento daqueles que não navegam nas suas águas.

Não permita ordens dos que não sabem escutar. Ser positivo, não é ser parvo. Ter resiliência não é comer e calar.

E também não caia no mesmo erro, olhando para as crianças e jovens com um olhar acusador “porque fulano conseguiu”…

Vamos falar a sério de otimismo, vamos falar a sério de resiliência.

Vamos desenvolver estratégias concretas junto dos nossos alunos.

O estudo da psicologia positiva (para podermos acrescentar algo ao trabalho fantástico dos docentes), abriu-nos a porta para o estudo sobre a resiliência. Os educadores de infância e os professores que contactámos em formação, focados no melhor para o futuro das crianças e jovens, ficaram sempre muito interessados no tema da resiliência, reconhecendo o seu poder e a aplicabilidade prática. Reconhecendo a sua importância.

A psicologia positiva melhora a prática pedagógica.

Seligman e Csikszentmihaly (2000), com a psicologia positiva, dedicam-se a estudar os estados afetivos e as virtudes positivas, como a felicidade, a resiliência, o otimismo e a gratidão. A psicologia positiva é uma “(…) tentativa de levar os psicólogos contemporâneos a adotarem uma visão mais aberta e apreciativa dos potenciais, das motivações e das capacidades humanas”.  (Sheldon & King, 2001)

Nas nossas formações, tentamos trazer o lado mais prático destes conceitos, ajudando o educador a levar ferramentas para a educação…

O tempo dos professores e educadores, é um bem precioso. Também nós desejamos um visão mais aberta do conceito de formação, e um dos resultados desde desejo, é a dinâmica refrescante das nossas formações.

Infelizmente, já ninguém precisa de ser recordado da importância da resiliência. Agora é agirmos com método, com intencionalidade e com coração.

Se quiser saber mais, clique aqui:

QUERO SABER MAIS SOBRE RESILIÊNCIA Alfredo Leite